Membrana celular e o nucleo

As membranas celulares são essenciais para a vida da célula. A Membrama Plasmática envolve a célula, define seus limites, e mantêm as diferenças essenciais entre o citosol e o meio extracelular. Dentro da célula, as membranas do retículo endoplasmático, aparelho de Golgi, mitocôndrias, e outras organelas envoltas por membrana, em células eucarióticas, mantêm as diferenças características entre os conteúdos de cada organela e o citosol. Todas as membranas biológicas têm uma estrutura geral comum: é um filme muito fino de lipídeos e de proteínas mantidas juntas rincipalmente por interações não covalentes.

As membranas celulares são estruturas dinâmicas, fluidas, e a maior parte de sua de mover-se no de lipídeos são plano da membrana, or 21 capazes de difundire se , de o de sua própria monocamada e rara nocamada para outra. As moléculas li orno uma dupla camada contínua com cerca de 5nm de espessura. Essa bicamada lipídica fornece a estrutura básica da membrana e atua como uma barreira relativamente impermeável à passagem da maioria das molécula hidrossolúveis. Os glicolipídeos são encontrados na metade não citoplasmática da bicamada lipídica.

Na membrana plasmática os seus grupos açúcar estão expostos na superfície celular, sugerindo que eles desempenham algum papel nas interações da célula com a sua vizinhança. As membranas plasmáticas de eucariotas contêm quantidades particularmente grandes de colesterol. As moléculas de colesterol aumentam as propriedades de barreira da bi Swlpe to vlew next page bicamada lipídica e devido as seus rígidos anéis planos de esteróide diminue a mobilidade e torna a bicamada lipídica menos fluidas.

A maioria dos lipídeos que compõem a membrana são fosfolipídeos dos quais predominam: fosfatidilcolina, sfingomielina, fosfatidilserina e fosfatidiletanolamina. Eletromicrografia mostrando as membranas plasmáticas e o espaço intercelular Proteínas da Membrana Enquanto a bicamada lipidica determina a estrutura básica das membrans biológicas, as proteínas são responsáveis pela maoria das funções da membrana, atuando como receptores específicos, enzimas, proteínas transportadoras, entre outra funções.

Muitas proteínas da membrana estendem-se através da bicamada lipíca: em algumas dessas proteínas transmembrana a cadeia polipeptídica cruza a bicamada como uma alfa-hélice única prote[nas unipasso); em outras, inclusive naquelas responsáveis pelo transporte transmembrana de ions e pequenas moléculas hidrossolúveis, a camada polipeptidica cruza a bicamada múltiplas vezes, seja como uma série de alfa-hélices, seja como uma folha beta na forma de um barril fechado (proteína multipasso). Outras proteínas associadas a membrana não cruzam a bicamada, mas ao contrário são presas a um ou ao outro lado da membrana.

Muitas dessa são ligadas por interações nao covalentes a proteína transmembrana, enquanto outras são ligadas através de grupos lipídicos ligados covalentemente. Como as moléculas lipídicas na bicamada, muitas proteínas da membrans são capazes de difundir-se rapidamente no plano da membrana. Por outro lado, as células têm mecanismos para imobilizar proteínas especificas da membrana e para confinar moléculas lipídicas e protéicas a PAGF moléculas lipídicas e protéicas a dominios especificos.

Veja na figura abaixo as principais funções das proteínas da membrana celular: Funções da Membrana Celular Glicocálix ou cobertura celular O termo cobertura celular ou glicocálix é freqüentmente utilizado para descrever a região rica em carboidratos na uperfície celular. Esses carboidratos ocorrem tanto como cadeias de oligossacarídeos ligadas covalente a proteínas da membrana (glicoproteínas) e lipídeos (glicolipídeos), e na forma de proteoglicanos que consistem de longas cadeias de polissacarídeos ligados covalentemente a um núcleo protéico.

Eletromicrografia mostrando as vilosidades da membrana plasmática eo Glicocálix As cadeias laterais de oligossacar[deos são extremamente diversificadas no arranjo de seus açúcares. Essa cobertura de carboidratos ajuda a proteger a superfície celular de lesões mecânicas e químicas e recentemente descobriu-se que ligossacarideos especficos funcionam como intemediários em diversos processos transitórios de adesão célula-célula, inclusive aqueles que ocorre em interações espermatozóide-óvulo, coagulação sangüínea, e recirculação de linfócitos em respostas inflamatórias.

Fonte: www. hurnp. uel. br ESTRUTURAS CELULARES I (membrana plasmática) Tudo que existe, e que é indivualizado, precisa se separar do seu melo exterior por algum envoltório. por exemplo, uma casa é separada do meio externo por paredes, pelo piso e pelo teto. Imagine agora uma célula sem um envoltório. Como seria sua omposição? Certamente, semelhante àquela encontrada ao seu redor. Sem esse envoltóri nte a célula nem exi Certamente, semelhante àquela encontrada ao seu redor. Sem esse envoltório, provavelmente a célula nem existiria.

Assim, o papel principal da membrana plasmática é delimltar a célula, em outras palavras, separar o conteúdo citoplasmático do meio em que ela se encontra. por isso, começaremos nosso estudo sobre as estruturas que formam a célula pela membrana plasmática. Quais as substâncias que formam a membrana plasmática? Antes de responder a esta pergunta é importante lembrar que anto o interior da célula quanto o seu exterior possui grande quantidade de água. Você já pode ter observado o que acontece quando pinga uma gota de óleo sobre a água.

O óleo não se mistura. Os lipídeos, substâncias oleosas, são as principais moléculas presentes na membrana plasmática e o fato deles não se misturarem com a água ajuda no papel da membrana plasmática de separação da célula do seu meio externo. Os lipídeos da membrana são chamados de fosfolipídeos e se organizam em uma bicamada (duas camadas justapostas). Os fosfolipídios possuem uma cabeça polar, formada por fósforo que pode ficar em contato com a água) e caudas apolares (que não tem afinidade por água) que ficam voltadas para o interior da membrana.

Além dos fosfolipídeos a membrana também possui prote(nas, que funcionam como portas e janelas da célula, e açúcares ligados aos lipídeos e às proteínas. Ou seja, a composição da membrana plasmática … é principalmente lipoprotéica ( lipídios + proteínas). O modelo mais aceito atualmente foi proposto por Singer e Nicholson e é mo modelo do mosaico 91 mostra a figura abaixo. O que aconteceria com a célula se a membrana plasmática ão permitisse a passagem de nenhuma substância através dela?

Assim como, por exemplo, um carro precisa de portas para as pessoas entrarem e sair, as células também possuem mecanismos que permitem a entrada e a saída de substâncias. Dizemos que a membrana plasmática seleciona a passagem destas substâncias e que ela possui, desta forma, uma permeabilidade seletiva. A camada fosfolipídlca da membrana plasmática funciona como uma barreira fluida (maleável) e permite a passagem de substâncias diretamente através dela. Você acha que tudo consegue atravessar essa barreira fosfolip[dica?

A resposta é não. Atravessará a barreira apenas as substâncias pequenas que consigam se entremear através dos fosfoslipídeos. Essas substâncias precisam ter afinidades por lipídeos, senão não conseguiriam se “misturar” com eles para atravessar a Por outro lado não são apenas substâncias com afinidades por lipídeos que atravessam a membrana plasmática. As substâncias que não conseguem atravessar diretamente a camada fosfolip(dica podem entrar ou sair da célula através de suas portas e janelas, que são as proteínas.

A passagem das substâncias de pequeno porte através da embrana pode ocorrer passivamente ou ativamente Antes de entender as duas formas rincipais de transporte na membrana, o passivo e o ário que compreenda PAGF s OF fechado. Em poucos instantes toda a sala fica com o cheiro do perfume. Já parou para se perguntar por que isso ocorre? Lembra que dois corpos não ocupam um mesmo lugar no espaço? Isso significa dizer que quando uma “partícula” se move, ela acaba ‘tomando o lugar” de uma outra particula que se encontra ao seu lado.

O ar é composto de diversas “partículas” flutuantes diferentes, ou seja, de gases, como o oxigênio, gás carbônico e nitrogênio, que e movem, e que estão sempre trocando de lugar uns com os outros. O perfume é feito por um líquido muito vo átil, que se torna um gás facilmente. Quando os gases perfumados são adicionados ao ar, eles também irão se mover e trocar de lugar com os outros tipos de gases. Isso faz com que depois de um tempo tenhamos gases de perfume espalhados por todo o ambiente fechado.

As moléculas presentes dentro de líquidos também possuem capacidade de movimento. Dentro da célula e em seu exterior existe grande quantidade de líquidos. Então, quando uma molécula qualquer se move dentro desses líquidos elas deverão ambém trocar de lugar com as moléculas que estão ao seu redor. Agora, responda a seguinte pergunta: Uma pessoa está parada numa estação final de trem esperando para embarcar. O trem chega lotado de passageiros e abre as portas. A pessoa conseguirá entrar com facilidade?

Você já deve ter percebido que esta pessoa terá grande dificuldade de entrar no trem porque haverá um grande fluxo de passageiros saindo dele. que entram e saem de O mesmo acontece com a um lado ou do outro, haverá maior fluxo de passagem para o lado que a substância estiver em menor quantidade. Assim, a difusão pode ser entendida como um maior fluxo de movimento de moléculas em direção a uma região onde as mesmas se encontram em menor quantidade. a) Transporte Ativo – Movimento de entrada ou saída de substâncias em uma célula com gasto de energia.

Ex: bomba de sódio e potássio. Para entender o transporte ativo, pense em nosso exemplo acima e imagine o caso da pessoa que está do lado de fora do trem. Para entrar no trem esta pessoa terá que “vencer” a direção natural de movimento de passageiros. E, ao fazer isso, terá que se movimentar contra um “gradiente” de passageiros e se esforçar bastante. Em outras palavras, ela terá que gastar energia. Para ocorrer a passagem de uma molécula contra um gradiente de concentração também será necessário o gasto de energia. ) Transporte Passivo – Movimento feito sem gasto de energia, ou seja, respe ‘tando o gradiente de condentração. Ex: osmose. Osmose – É a difusão da água, ou seja, a passagem de água de um meio hipotónico (onde ela se encontra em maior quantidade) para um meio hipertônico (onde ela se encontra em menor quantidade). Em um meio hipotônico existe maior quantidade de água e menor quantidade de sal dissolvido. O contrário ocorre m um meio hipertônico. Difusão facilitada – É a passagem de macromoléculas através de proteínas especiais denomlnadas permeases, que formam poros na membrana.

A membrana plasmática possui a capacidade de englobar substâncias de maior porte através da endocitose PAGF 7 Endocitose — Transporte de moléculas em grande quantidade. Existem dois tipos de mecanismos para esse transporte: a) Fagocltose – Englobamento de partículas sólidas por meio da emissão de pseudópodes pela membrana plasmática. b) Pinocitose – Englobamento de gotículas líquidas por meio de invaginações da membrana plasmática. A célula é a menor unidade estrutural de um ser vivo, capaz de existir de maneira independente e se reproduzir.

As células animais são compostas de três partes fundamentais: membrana plasmática, citoplasma e núcleo. A membrana plasmática é o envoltório das células. No interior das células, existe o citoplasma, que é composto por várias estruturas vivas – organelas (reticulo endoplasmático liso e rugoso, ribossomos, mitocôndrias, complexo de Golgi, lisossomas, centríolos e vacúolos) – e por um líquido gelatinoso chamado hialoplasma. No centro da célula, encontra-se o núcleo, que é separado do itoplasma por uma membrana, a carioteca.

Nele estão o suco nuclear, o nucléolo e os cromossomos. Esses últimos possuem os genes, que determinam os caracteres hereditários. A célula foi descoberta em 1665 pelo inglês Robert Hooke. O cientista utilizou o termo célula para designar as pequenas cavidades de um pedaço de cortiça – tecido vegetal morto — observadas por ele com um microscópio. Os microscópios de maior resolução permitiram novos avanços no estudo das células: entre 1838 e 1839, o botânico Matthias J.

Schleiden e o fisiologista Theodor Schwann concluem que tanto os animais quanto os egetais são constituídos por células. Hialoplasma As funções do hialoplasma são basicamente a sustentação, a glicólise, a formação de microtúbulos e sede PAGF 91 do hialoplasma são basicamente a sustentação, a glicólise, a formação de microtúbulos e sede de reações químicas citoplasmáticas. A sustentação do citoplasma deve-se ao funcionamento do ectoplasma como verdadeiro suporte celular, mantendo mais ou menos constante a sua forma.

A glicólise compreende a primeira parte da respiração celular onde ocorre a quebra da glicose originando duas moléculas de ?cido pirúvico, que em condições anaeróbias é convertido em ácido lático; no entanto , em presença de oxigênio, é incorporado ao ciclo de Krebs. Os microtúbulos são minúsculos cilindros ocos formados no hialoplasma de todas as células importantes, com várias funções celulares como a divisão, contractibilidade citoplasmática, transporte de moléculas no interior do citoplasma, etc.

Ectoplasma É a porção mais externa do hialoplasma apresenta-se mais consistente. Também conhecido como Plasmagel. Endoplasma É a porção mais fluida e mais interna do hialoplasma. Também onhecido como Plasmassol. Retículo Endoplasmático Rede de túbulos e cisternas achatadas mergulhadas no citoplasma. Dentre suas várias funções ressaltamos o metabolismo de lipídios (incluindo a síntese de esteróides e fosfolip(dios) e a síntese de proteínas para exportação. Funciona como sistema circulatório – atua como transportador e armazenador de substâncias.

Há d01S tipos: Reticulo Endoplasmático Liso: É muito abundante em células secretoras de lipídios (por exemplo células de fígado) e em células de certas glândulas envolvidas com a produção de horm es (células das glândulas) síntese dos hormônios sexuais, estrógeno e testosterona. Retículo Endoplasmático Rugoso: Rugoso por ter aderido a sua superfície externa os ribossomas, local de produção de proteínas, as quais serão transportadas internamente para o Complexo de Golgi_ Com origem na membrana plasmática, apresenta também na sua constituição lipídios e proteínas.

Além das funções já citadas atua também aumentando a superfície interna da célula produzindo um gradiente de concentração diferenciado. Complexo de Golgi São estruturas membranosas e achatadas, cuja função é elaborar armazenar proteínas vidas do retículo endoplasmático; podem também eliminar substâncias produzidas pela célula, mas que irão atuar fora da estrutura celular que originou (enzimas por exemplo). Produzem ainda os lisossomos (suco digestivo celular). ? responsável pela formação do acrossomo dos espermatozóides, estrutura que contém hialuronidase que permite a fecundação do óvulo. A síntese de enzimas e a gênese de lisossomos, são organelas responsáveis pela digestão da célula. Nos vegetais denomina-se dictiossoma e é responsável pela formação da amela média da parede celulósica. Esta organela foi descoberta pelo citologista italiano Camillo Golgi que viveu no século XIX.

Lisossomas Estrutura que apresenta enzimas digestivas capazes de digerir um grande numero de produtos orgânicos. Realiza a digestão intracelular. Apresenta-se de 3 formas: lisossomo primário que contém apenas enzimas digestivas em seu interior, lisossomo secundário ou vacúolo digestivo que resulta da fusão de um lisossomo primário e um fagossomo ou pinossomo e o lisossomo terciário ou residual que contém apenas sobras da digestão intracelu

Leave a Reply:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *