Aula pratica

Sumário Introdução.. 03 Objetivos…………… „ Materiais e métodos…… — 04 Resultados e discussão… Conclusão…. 06 Bibliografia. INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende apresentar-se uma análise dos resultado Ias praticas de laboratório, constitui 0-5 aliar e apresentar PACE 1 ors metodologias de apr , para isso tc view next*ge com aminoácidos estudaremos alguma na precipitação de pr imeiro assunto deste relatório e também analisaremos fatores que interferem nas reações enzimáticas.

As proteínas são as macromoléculas mais abundantes as células vivas. Elas ocorrem em todas as células e em todas as partes destas. As prote(nas também ocorrem em grande variedade, milhares e diferentes tipos, desde peptídeos de tamanho relativamente pequeno até enormes polímeros com pesos moleculares na faixa de milhões, podem ser encontrados em uma única célula. As proteínas também exibem uma grande diversidade de funções biológicas; são os instrumentos molec to page moleculares por meio dos quais a informação genética é expressa.

Importante, portanto, o estudo prático das proteínas. Para visualizar-se a caracterização de proteínas, utilizou-se a Reação de Heller ou Xantoprotéica, a Reação de Sulfidrilos e a Reação de Biureto. A Relação de Heller ou Xantoprotéica caracteriza aminoácidos com grupo R aromático. O ácido nítrico (HS03) reage com os aminoácidos fenilalanina, triptofano ou tirosina, formando compostos nitro ou nitrosos de cor amarela; a Reação de Sulfidrilo é usada na caracterização do aminoácido cisteína e a Reação de Biureto também caracteriza proteínas.

O Reativo de Biureto contem Cu 2+, liga-se com os grupos (-NH) das ligações eptídlcas. OBJETIVOS Observar, anotar e interpretar os dados das proteínas utilizadas nas reações de caracterização e reações enzimáticas. MATERIAL E METODOS para o primeiro expermento na reação de Heller ou Xantoprotéica, utilizou-se 05 tubos de ensaio, pipeta graduada, pipetas Pasteur, soluções: de H20 (égua), saliva, clara de ovo, cisteína (0,4%) e triptofano (0,4%) e HN03 (ácido nítrico).

Foram marcados cada tubo de ensaio, de 1 a 5; sendo que no tubo de número 1, adicionou-se a solução 1 mc de H20 (água), no tubo de número 2, adicionou-se a solução 1 mL de aliva, no tubo de número 3, adicionou-se 1 mc de clara de ovo, no tubo de número 4, adicionou-se 1mL de cisteína e no tubo de número 5, adicionou-se 1 mL de triptofano, por fim, em cada tubo fora adicionado 1mL de HN03 ( fora adicionado 1mL de HN03 (ácido nítrico).

Na segunda reação de Sulfidrilos, utilizou-se tubos de ensaio, pipeta graduada, pipeta Pasteur, aquecedor banho maria, soluções: H20 (água), saliva, clara de ovo, cisteína (0,4%) e triptofano (0,4%) e acetato de chumbo.

Foram marcados cada tubo de ensaio, de 1 a 5; sendo que no ubo de número 1, adicionou-se a solução 1 mc de H20 (água), no tubo de número 2, adicionou-se a solução 1 ml- de saliva, no tubo de número 3, adicionou-se 1 ml_ de clara de ovo, no tubo de número 4, adicionou-se 1mL de cisterna e no tubo de número 5, adicionou-se 1 mL de triptofano, por fim, em cada tubo fora adlcionado IO gostas de acetato de chumbo e logo após esses procedimentos, levou-se os tubos por cinco minutos em banho fervente.

Para a reação de Biureto, utilizou-se tubos de ensaio, pipeta graduada, pipetas Pasteur, soluções: H20 (água), aminoácido, elatina, CuS04 (sulfato cúprico) e NaOH (hidróxido de sódio) Foram marcados cada tubo de ensaio, de 1 a 3; sendo que no tubo de número 1, adicionou-se 1 ml_ de H20 (água), 1 ml_ de aminoácldo (cisteína) e 1 mc de gelatina, por fim, adicionou-se a cada tubo, 1 mL de reativo de Biureto.

RESULTADOS E DISCUSSÃO 1 – Reação de Heller ou Xantoprotéica: Tubo número 1 – Solução H20 (água): esta solução somente tem caráter de controle, não reagu com o ácido nítrico, portanto, não houve alteração na coloração. Tubo número 2 – Solução Saliva: percebe-se PAGF3rl(FS ortanto, não houve alteração na coloração. Tubo número 2 – Solução Saliva: percebe-se uma reação com o ácido nítrico, contudo, observa-se, que essa reação é menor do que as reações entre ácido nítrico e clara de ovo e ácido ntrico e triptofano.

Obteve-se uma coloração amarelo-claro. Tubo número 3 – Solução Clara de ovo: Houve uma reação maior que a saliva por ser a clara de ovo muito rica em proteínas, ocorrendo desnaturação e mudança de coloração assumindo uma coloração amarelo escuro. Tubo número 4 – Solução Cisteína: Não houve reação evido a esse aminoácido não possuir anel aromático e o ácido nítrico reage somente com compostos aromáticos e não ocorrendo mudança na coloração.

Tubo número 5 – Solução Triptofano: Houve boa reação pois a tirosina possui anéis aromáticos e assim a reação assumiu uma coloração avermelhada. 2- Reação de Sulfidrilos: Tubo número 1 – Água: Não houve reação pela falta de aminoácidos e nenhuma alteração na coloração. Tubo número 2 — Cisteína: A reação reagiu bem em razão de a cisteína ter boa afinidade com o chumbo assumndo uma cor escura. Tubo número 3 — Saliva: Houve reação em razão da metilanina presente na saliva e assumindo uma coloração escura.

Tubo número 4 — Clara de ovo: Houve reação e uma precipitação em razão do pH básico. Tubo número 5 — Triptofano 0,4%: Não houve reação em razão do seu radical e sem mudança de coloração. PAGF Triptofano 0,4%: Não houve reação em razão do seu radical e sem mudança de coloração. 3 – Reação de Biureto: Tubo número 1 — Solução água: Não houve reação devido ao fato de na haver ligações peptídicas e mantendo a coloração própria do sulfato de cobre.

Tubo número 2 – Solução Aminoácido: Não houve reação por não possuir ligação peptídica assumindo uma coloração azulada. Tubo número 3 – Solução Gelatina: Houve reação por apresentar ligações peptídicas, assumiu uma coloração azul escuro e houve desnaturação. CONCLUSÃO A aula foi satisfatória, pois foi possível identificar as diversas reações na caracterização das proteínas bem como as funcionalidades dos diversos reagentes utilizados. As informações e técnicas abordadas neste trabalho são de grande importância para a formação do estudante de graduação. ?? uma chance que o aluno tem de aumentar sua gama de conhecimento e adquirir um embasamento prático capaz de facilitar seu aprendizado na disciplina de Bioquímica em seus assuntos mais complexos. Procedimento e os materiais utilizados no experimento são simples, o que permitiram a realização pelos próprios alunos sem maiores riscos. BIBLIOGRAFIA http://pretita-blogdagloria. blogspot. com. br/2006/03/caracterizao -de-aminocidos-e-protenas. html http://www. uff. br/gcmfGCM/atividades/luciano/inicial. htm http://pt. scribd. com/doc/14171792/Relatorio-aula-pratica

Leave a Reply:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *