Desenvolvimento econômico local

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇAO mONIZY BISPO DE ARAÚJO 1 orlo to view nut*ge DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCA antecipação da mudança e instalação de processos de reestruturação econômica e social. É uma politica feita de e para o âmbito local. Baseia-se em novas formas organizativas substancialmente diferentes das politicas de desenvolvimento tradicionais. São políticas que deveriam ser, essencialmente, pollticas públicas.

A questão do desenvolvimento, tanto local quanto regional e nacional, tem sido tema de discussões em iversas áreas do conhecimento, todas debatendo e trazendo à tona teorias e pressupostos do desenvolvimento em suas diferentes dimensões. O propósito do desenvolvimento econômico local é construir a capacidade econômica de uma determinada área para melhorar sua perspectiva econômca e a qualidade de vida de todos. Este é um processo pelo quais os parceiros públicos, o setor empresarial e os não governamentais trabalham coletivamente para criar condições melhores ao crescimento econômico e geração de emprego.

DESENVOLVIMENTO ECONOMICO LOCA A partir da década de 1970 a reestruturação capitalista e a crise os estados nacionais influenciaram nos rumos dos processos de desenvolvimento do Br do inteiro. Seia qual for 10 anterior. Estaríamos, ao lado dos aspectos econômicos, também diante de uma crise de valores. Houve, portanto, um esgotamento da capacidade de aumentar a produtividade com a base técnica do fordismo: tornou-se incompatível assegurar aumento da acumulação com aumentos salariais e bens sociais.

Instaurou-se, então, a famosa crise dos anos 1970 com algumas características marcantes e resoluções práticas que foram, efetivamente, tomadas no sentido de tentar resolver os roblemas advindos da crise. Na tentativa de solução, as empresas buscaram melhores condições de exploração das oportunidades organizacionais e tecnológlcas, oferecidas pelo avanço da automação baseada na microeletrônica, e pelos novos modos de “produção flexível” Houve também todo o movimento de enriquecimento das tarefas e dos grupos de trabalho semi-autônomos.

O que, na prática, significou uma intensificação do trabalho. Desta forma, muitos Estados nacionais vêem-se obrigados a promover, em nome da concorrência e da atração de investimentos, na tentativa de gerar emprego e renda, o ebalxamento de seus padrões e condições de trabalho, seja para garantir a permanência de muitas indústrias em seu território, seja no sentido de facilitar, ainda mais, a entrada de grandes empresas que, cada vez mais, buscam países com menores salários, maior flexibilidade de contratação e demissão, menor pressão sindical e condições mais precárias de trabalho.

O desenvolvimento local é hoje apontado como o grande desafio frente às disparidades e desigualdades sociais. Temas como pollticas públicas locais, sustentabilidade e responsabilidade social, estão cada vez mais difundidas nos debates acadêmicos, m praticas que objetivam a sustentabilidade por parte do setor privado, em ações de solidariedade e nas inúmeras iniciativas sustentabilidade por parte do setor privado, em ações de solidariedade e nas Inúmeras iniciativas de organizações da sociedade civil.

Um dos aspectos primordiais para que as inlciativas e politicas realizadas contribuam realmente na diminuição das disparidades tanto localmente quanto a nível global, é a própria consciência dos fatores que resultaram em tais situações de subdesenvolvimento. Isto implica na conscientização de que os processos políticos e econômicos adotados nestes ?ltimos anos agravaram e causaram novos problemas e dilemas. No caso especifico do Brasil, este amadurecimento encontra-se na mesma perspectiva histórica de formação da sociedade brasileira e na anállse das lutas entre as classes dominantes e subjugadas.

Visto que hoje os Estados nacionais integram o contexto global através das diversas formas de interação e analisando que a inclusão ou exclusão dos países está ligada aos espectivos níveis de desenvolvimento e participação nos centros de decisões, torna-se necessário abordar conceitualmente a globalização e suas conseqüências. Das variadas ações que foram empregadas na cidade de ibotlrama que promoveram o desenvolvimento local foi através da secretaria de Agricultura, Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Indústria, Comércio, Abastecimento e Turismo. ?? Promover, articular e ampliar o desenvolvimento do setor da economia do município; • Estimular a organização das associações de produtores Rurais e pescadores; – Fortalecimento da cadeia produtiva; •Apoio a Pecuária leiteira, atendendo instrução normativa do Ministério da Agricultura, através de incentivo à implantação de sina de beneficiamento de leite, pela iniciativa privada; • Buscar, junto ao Ministério da Integração Nacional, a implantaçã iniciativa privada; • Buscar, junto ao Ministério da Integração Nacional, a implantação de projetos de irrigação; • Buscar parcerias com órgãos Federais e Estaduais, objetivando a capacitação e qualificação dos produtores rurais; • Promover uma assistência técnica qualificada e sistematizada; • Firmar parcerias com os agentes financeiros, Banco do Brasil e Banco do Nordeste, visando atender à demanda de projetos de investimentos, custeio agrícola e pecuário; ?? Fortalecimento da agricultura familiar, através do PRONAF; • Ampliação do seguro safra; • Implantar ações que objetivem oferecer segurança hídrica às comunidades rurais, ampliando os equipamentos existentes, oferecendo água em quantidade e qualidade, suficientes; • Proteger, conservar e adotar medidas que assegurem a qualidade do meio ambiente, destacando-se a aplicação da Legislação ambiental no âmbito da competência municipal; • Desenvolver ações de educação ambiental, no âmbito do projeto navegar é preciso, através do vapor São Salvador; ?? Através de uma parceria com o Ministério da Integração Nacional, CODEVASF e a Prefeitura Municipal de Ibotirama, objetivar a produção de 250. 000 mudas de espécies nativas para a recomposição das matas ciliares da bacia do Rio São Francisco e seus afluentes; • Regularizaçao dos conselhos do CODEMA CMDRS e FUMAC; • Apoio a Associação das Mulheres da Ilha Grande em Ação – Amiga, buscando investimento no desenvolvimento do artesanato em palha de milho, Comunidade de Mãos Dadas e Outras; • Parcerias com o SEBRAE e a CDL local.

Secretário: Herikson Novais, formado em: Engenharia grónoma, pela Universidade do Estado da Bahia, atuou como extensionista e gerente de escritório da EMATER e EBDA durante 16 anos; Foi coordenador do Pro rama Faz Cidadão, do Governo do Governo do E durante 16 anos; Foi coordenador do Programa Faz Cidadão, do Governo do Governo do Estado da Bahia em nossa região; Elaborador de projetos Agropecuários do PRONAF, FNE, BNDES, que contribuu para o desenvolvimento da agropecuária regional; Foi presidente do CODEMA e do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável – CMDRS; Teve participação decisiva na implantação da apicultura da região São Franciscana. Os gestores locais vêm enfrentando barreiras constantemente e desafios políticos, sociais, ambientais, financeiros e de planejamento. Tais enfrentamentos também estão relacionados com as dificuldades financeiras no município. Em cada um dos projetos cltadas encontram-se barreiras e dificuldades, que se apresentam por aspectos específicos na implementação do desenvolvimento local.

Porém o estudo apontou sugestões e propostas no sentido de não somente abordar as possíveis soluções para os determinados problemas como também ressaltou a necessidade de integração entre as atividades por arte dos diversos atores envolvidos, sejam administrações municipais, empresas e organizações da sociedade civil. Outro ponto importante é a constatação de que quando os principais entravem são anallsados pela interação dos diversos agentes, observa-se a tendência de identificação de oportunidades e diversificação das atividades tanto econômicas como também culturais e sociais. A região oeste tem como principal vocação a produção de grãos da Bahia, além de diversificar suas atividades rumo à produção de frutas e café.

Todos os investimentos previstos para essa região stão alocados no segmento alimentar, 90% deles vinculados ? cadeia de produção grãos-carnes, enquanto o restante refere-se ? produção de pescado devido ao rico manancial hidrográfico local. Graças a esta privilegiada bacia PAGF 10 de pescado devido ao rico manancial hidrográfico local. Graças a esta privilegiada bacia hidrográfica, à topografia plana e ao clima com estações definidas, foi possível a expansão das lavouras de sequeiro e a implantação dos projetos de irrigação, especialmente nos municípios de Barreiras e São Desidério. Nas duas últimas décadas, o cultivo de grãos juntamente com a ecuária, definiram uma nova dinâmica à economia de toda a região, o que impulsionou o processo de crescimento e desenvolvimento econômico da região.

A partir do final da década de 1970, com o grande fluxo de agricultores de regiões mais desenvolvidas do país, as práticas tradicionais das culturas de subsistência começaram a ser substituídas por atividades produtivas mais dinâmicas e mais exigentes em termos tecnológicos e gerenciais, destacando-se a pecuária bovina, baseada em pastos cultivados e manejo mais racional dos rebanhos; os reflorestamentos apoiados por incentivos fiscais; implantação de projetos agroindustriais e o início do cultivo da soja na área do cerrado. A fase mais dinâmica de reestruturação da economia da Região Oeste, do final da década de 1970 até meados da década de 1980, apartie daí surgiram as oportunidades, e a implantação do plano de desenvolvmento local se desenrolou sem a participação do governo do Estado e sob o comando de grupos de fora, que chegaram à Região e difundiram relações sociais, técnicas de produção e de circulação tipicamente capitalistas, alterando o cenário socioeconômico existente.

Esse processo, entrado principalmente na produção comercial, foi praticado sob consideráveis inversões privadas e padrões tecnológicos e organizacionais inteiramente novos para a região, onde o uso de modernos insumos agrícolas e de práticas de irrigação implicava numa intensa utilização de capital e numa intensa utilização de capital e tecnologia, baixo uso de mão de obra permanente e redução progressiva de mão de obra sazonal, na medida em que avançava a mecanização da lavoura. Ai surgiram as oportunidades, a introdução da produção de soja no cerrado propiciou a integração da região na divisão inter- egional de expansão da agricultura nacional, estabelecendo laços econômicos com a rede de comercialização dos produtos, insumos e máquinas, criando novas relações sociais nos fluxos migratórios macro-regionais e nacionais.

Opinião da autora Opinião divergente A discussão do papel dos municípios na promoção do desenvolvimento aponta para o crescimento de suas responsabilidades em relação és iniciativas voltadas para a melhoria das condições de vida e á busca de soluções dos problemas urbanos e, enfim, da gestão local.. Atuando mais na área de políticas de uso do solo, o município ão tem conseguido integrar política urbana e desenvolvimento econômico (sendo que) que as definições presentes na constituição de 1988 – voltada sob influencia de idéias municipalistas e de descentralização — necessitam ganhar uma dinâmica própria e se materializar em projetos e arranjos institucionais específicos no interior do executivo (já que) os municípios não tem se assumido enquanto um agente de desenvolvimento econômico. (COELHO, 1994, P. 4) A gestão do desenvolvimento local pode ser diferenciada e discutida por meio da analise das ações e estratégias de esenvolvimento implementadas por vários agentes, em especial o estado, permitindo avaliar seus resultados sócio-econômcos e também como ocorre a materialização dessas estratégias no espaço, que resultam em alterações do conteúdo e do si materialização dessas estratégias no espaço, que resultam em alterações do conteúdo e do significado desse espaço. Essas ações e estratégias ocorreram em um espaço herdado, que é constituido por uma historia local, um padrão de organização do território e da força do trabalho e por um dado grau de desigualdades sociais (cf. F. D. COELHO, 1996). A execução de estratégias sobre o espaço herdado promove impacto e possibilita a construção de um espaço projetado ou não, mas certamente transformado. Em muitas vezes a verdade não é absoluta, mas depende do ponto de vista individual.

O que é verdadeiro depende de sua ideologia de acordo as opiniões divergentes cada um têm seu ponto de vista, neste caso não existe uma única verdade porque ela é relativa, o que na cabeça de um é a verdade o outro já tem a sua contraposição, isso coloca a responsabilidade de determinar o padrão da verdade sobre os ombros do indivíduo. Muitas vezes emos que buscar várias opiniões para determinados pontos de vista porque vejo com muita preocupação a padronização das idéias o aspecto de tudo isso é pelo fato de todos serem diferentes, no sentido de criação, cultura, inteligência, e justamente por isso a gente sempre busca opiniões diferentes para termos um contexto do que significa em relação ao pensamento de cada pessoa. econômicas e na sua implementação.

Neste sentido, potencializar e instigar o desenvolvimento local pode ser uma alternativa para comunidades que, normalmente, são esquecidas nos planos de desenvolvimento econômico do país, pelo fato de que uitas, nem possuem estrutura básica de moradias, produção e qualidade de vida e acabam por não representar locais potenciais de empregabilidade, comércio e Instalação industrial. Atualmente, o sucesso de uma comunidade depende da sua habilidade em se adaptar à dinâmica local, nacional e internacional da economia de mercado. Uma estratégia de desenvolvimento deve ser dirigida a facilitar a transformação da sociedade, a identificar as barreiras, bem como os potenciais agentes catalisadores dessas mudanças, o desenvolvimento como um enfoque local. REFERÊNC AS http://www. scielo. br/pdf/ra /v44n3f02. Acesso em 23/04/2012.

Leave a Reply:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *