Trabalhos interdisciplinares sobre teorias da administração,relações interpessoais,analise economica e social e tecnologia e desenvolvimento humano

Trabalhos interdisciplinares sobre teorias da administração,relações interpessoais,analise economica e social e tecnologia e desenvolvimento humano Premium ay mcbjcs anpe,lfi 18, 2012 7 pages Economia e gestão de pessoas 1 5/3/2010 Retenção de talentos, motivação e remuneração são os temas que mais preocupam as empresas atualmente, revela pesquisa realizada pela ISK Consultoria. Esses fatores são os preponderantes p e o investimento del reconhecimento do é parte da pauta das É asslrn que funciona atrás dessas respostas. or7 na to next*ge laboradores raçao e o us em dinheiro já o RH acha disso? p;negócios foi Fernando Mantero, Diretor de Operações da Human Brasil, acredita que, se até pouco antes da crise as empresas buscavam estabelecer diferentes parâmetros de remuneração a fim de tornar seus profissionais mais competitivos, durante e após a crise pode ser observada uma tendência ainda maior neste sentido. “Aspectos relacionados à porção variável da remuneração dos profissionais tiveram um destaque, pois em situação de crise as empresas precisaram se reinventar, diminuindo parcela do seu custo fixo mensal para fazer face à redução de seu nível de faturamento, seja local como internacional.

Para nao perder todo o investimento feito em seus talentos profissionais durante os últimos anos, muitas empresas optaram por redução de jornada de trabalho com diminuição de salário fixo; porém, para os cargos mais estratégico-gerenclais, prematuro falar em redução generalizada da base média salarial dos profissionais por conta da crise, em função da redução da demanda por postos de trabalho.

Isto por que, segundo ele, nem todos os setores da economia sofreram em Igual intensidade com a crise. “Nos setores onde a relação oferta de vagas x demanda por profissionais for maior, ou seja, onde exista uma oferta aior de vagas do que de profissionais disponíveis no mercado, os profissionais que disputam essas vagas são extremamente valorizados e, pelo contrário, com a sua experiência, provocam elevação do valor de oferta para essas posições. ? o caso, por exemplo, do Brasil, no que diz respeito às vagas de engenheiros e especialistas no setor de construção civil e infraestrutura, especialistas em tecnologla da informação, meio ambiente etc. ” Esta monografia foca dentro das principais teorias sobre o papel do gestor no mercado de trabalho atual dentro das organizações e principalmente suas competências e habilidades, aracterísticas primordiais para a eficiência e eficácia de seu trabalho junto aos funcionários de uma empresa.

Tem como objetivo principal exaltar a qualidade de vida no trabalho, o valor de ter empregados motivados, incentivando principalmente o crescimento profissional e pessoal de cada um em seu ambiente TEORIA DA ADMIN STRAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS Carmenci Pedroso dos Reis Professor: Juliano Machado de Magalhães Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI Administração (ADG0231)-Teoria Geral da Administração RESUMO Este trabalho tem o objetivo de relatar as contribuições das eorias administrativas nas organizações empresariais nos dias de hoje.

Para a execução do PAGFarl(F7 das teorias administrativas nas organizações empresariais nos dias de hoje. Para a execução do mesmo utilizaram-se consultas em sites da Internet tendo como resultado que a ao longo da história a arte de administrar tem vivenciado uma grande revolução com modelos de gestão mais flexíveis humanizados e democráticos. Palavras chaves: Administração; Organizações; Teorias. 1 INTRODUÇÃO Administração é uma necessidade humana, pois desde a pré- históna o homem preclsava administrar a famllia e seus escassos ecursos materiais para sobreviver.

Com o passar dos tempos associou-se a outros para conseguir por esforço conjunto formar empresas rudimentares. Porém a história da administração é relativamente recente, pois somente depois da Revolução Industrial ocorreu o crescimento desorganizado das empresas e com isto a necessidade de planejar e controlar a produtividade e a competitividade do mercado surgindo assim às teonas da administração. Este trabalho utiliza-se de pesquisa bibliográfica em sites da Internet com base nas colocações de autores e consultores na área de administração.

Destro de contexto o presente estudo tem o objetivo de relatar as contribuições das teorias da administração nas organizações empresariais da atualidade. 2 TEORIAS ADMINISTRATIVAS As teorias administrativas foram criadas para resolver problemas organizacionais de planejamento ordem e disciplina devido ao crescimento acelerado des após a Revolução (2004): “Cada teoria administrativa surgiu como resposta aos problemas empresariais relevantes de sua época e todas foram bem- sucedidas nas soluções específicas para tais problemas.

Assim, todas as teorias administrativas são aplicáveis às situações atuais o administrador precisa conhecê-las para ter à sua disposição um naipe de alternativas para cada situação” 4 TEORIA ESTRUTURALISTA Conforme Bartel (2008) a teoria estruturalista surge em meados da década de 1950, originando-se da oposição surgida entre a teoria Clássica (formal) e a teoria das relações humanas (informal), da necessidade de visualizar a organização com uma unidade social, da influência da do estruturalismo nas ciências sociais e do novo conceito de estrutura.

O movimento estruturalista predominou na Europa com o intuito de obter a interdisciplinaridade das ciências. Do grego struo, estrutura significa ordenar a composição dos elementos em do todo em que fazem parte. “O conceito da estrutura significa a análise interna de uma totalidade em seus elementos constitutivos, sua disposição, suas inter-relações etc. permitindo uma comparação, pois pode ser aplicado a coisas diferentes entre si. Além do aspecto totalizante, o estruturalismo e fundamentalmente comparativo” (BARTEL apud CHIAVENATO, 2003, p. 289). TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS Teve origem nos Estados Unidos na década de 1 930 e venho para suprir uma necessidade de humanizar e democratizar o rabalho, foi basicamente uma oposição a Teoria Clássica para adequar-se aos padrões de vida do ovo americano, onde antes a preocupação era voltada ra e tarefas e agora o que para a estrutura e tarefas e agora o que importa são as ciências humanas principalmente a Psicologia e a Sociologia. 5 TEORIA ESTRUTURALISTA COM ENFASE NO AMBIENTE O ambiente é tudo que envolve uma organização podendo ser interno ou externo.

O ambiente interno da organização caracteriza-se pela atividade especifica da empresa e suas relações com os consumidores, fornecedores, concorrentes e seus colaboradores. No ambiente externo envolve-se o mercado conômico, as politicas governamentais, a tecnologia e a sociedade em geral. 7 CONCLUSÃO Conclui-se que as organizações estão passando por processos cada vez mais flexíveis de gestão valorizando acima de tudo o capital humano e buscando sempre novas estratégias de crescimento e inovações tecnológicas para enfrentar um mercado cada vez mais competitivo e globalizado. 8 REFERENCIAS BARTEL, G.

Teoria Geral da Administração. Indaial: Asselvi, 2008. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução a teoria da Adminstração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. 7 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003 CHIAVENATO, Idalberto. 2004. Administração nos novos tempos. Disponível em: http://www. crasp. com. br/index. asp? secao=74. Acesso em: 01 de Março de 2009. http://www. spi. pt/documents/booksfinovint/gi/experimentar . manual/l . 2/cap_actual. htm http://www. ebah. com. br/content/A gAAAAS70AF/introducao-a -economia-microeconomia mia-resumo fenômenos da economia como um todo (inflação, desemprego). ? importante notar que o conjunto de fatos microeconômicos acabam formando um macro. Porém os dois são bem diferentes e devem ser estudados separadamente. O ECONOMISTA COMO CONSULTOR DE POLÍTICA ECONÔMICA Muitas vezes o economista tem que tentar mudar a economia, nestes casos ele é consultor de políticas. Quando ele simplesmente tem que explicar os acontecimentos ele é cientista. Também existem 2 tipos de declaração, a positiva (declaração de como o mundo é) e as normativas (declaração de como deveria ser). PORQUE OS ECONOMISTAS DISCORDAM?

Os economistas podem dlscordar quanto à validade de teorias positivas alternativas a respeito do funcionamento do mundo ou quando os economistas têm valores diferentes e, portanto opiniões normativas diferentes a respeito dos possíveis objetivos das políticas. Estes são os dois motivos básicos das discordâncias. DIFERENÇAS NO JULGAMENTO CIENTIFICO. Os economistas às vezes discordam porque têm diferentes intuições acerca da validade de teorias alternativas ou da dimensão de parâmetros importantes. por exemplo, sobre se o governo deve estabelecer uma tributação sobre a renda ou sobre o consumo (despesa) das famllias.

DIFERENÇAS NOS VALORES Suponha que Pedro e Paulo apanham a mesma quantidade de água no poço da cidade. Para pagar a manutenção, a cidade cobra impostos sobre os residentes. Pedro tem uma renda de 0$50 mil e paga U$5 mil de imposto (10%), Paulo tem uma renda de U$IO il e paga U$2 mil (20%). Essa politica é justa? Se não for, quem paga demais e quem paga de menos? Esse exemplo mostra por que às vezes os economistas discordam no que diz respeito às pollticas públic PAGFsrl(F7 Esse exemplo mostra por que às vezes os economistas discordam no que diz respeito às políticas públicas.

PERCEPÇÃO X REALIDADE Uma vez que há diferenças quanto a julgamentos científicos e quanto aos valores, é inevitável a existência de desacordos entre economistas. Contudo não convém exagerar o destaque dado aos desacordos. Em muitos casos os economistas têm uma visão em comum: AFIRMAÇOES E PERCENTUAL QUE OS ECONOMISTAS QUE CONCORDAM I A fixação de um limite máximo para aluguéis reduz a quantidade e a qualidade das residências disponíveis (93%) | Tarifas e quotas de impostos geralmente reduzem o bem estar econômico social. 93%) Taxas de câmbio flexíveis e flutuantes permitem uma organização monetária internacional efetiva. (90%) A politica fiscal (por exemplo, cortes nos impostos e ou aumentos nas despesas do governo), tem um significativo impacto positivo sobre economias que não atingiram o pleno emprego (90%). Se for necessário equilibrar o orçamento federal, isto deve correr dentro do ciclo econômico e não em bases anuals Pagamentos em dinheiro aumentam o bem-estar daqueles que os recebem mais do que transferências em gêneros de igual valor. 84%) Um déficit orçamentário elevado exerce um impacto negativo sobre a economia. (79%) O governo deveria reestruturar o sistema de assistência social em termos de um “imposto de renda negativo”. (79%) | Impostos sobre a ermss¿o de efluentes e licenças para poluição comercializáveis são um método de combate à poluição melhor do que a imposição de limites superiores à poluição (78%). 1 2 |

Leave a Reply:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *