Trabalho avaliativo

TRABALHO AVALIATIVO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA GERAL Nome: Danyelle Encarnação Com base nos textos trabalhados em aula e lidos na disciplina, responda as questões abaixo, procurando construir a respostas com coerência, lógica interna e boa argumentação: Como o c com a compreensão entendimento da soc PACE 1 org S”ipe to view nut*ge o pode contribuir com o inseridos?

Considero que o conhecimento sociol gico contribui de maneira importantíssima para a compreensão do meio em que estamos inseridos para que possamos criar um pensamento crítico à cerca e diversas problematicas que envolvem as relações humanas e sociais, se desvencilhando de paradigmas que engessam ou distorcem uma visão altruísta. Possibilitando maior racionalização e sistematização das ideias num contexto complexo e diversificado, num âmbito mais abrangente do relacionamento dos homens entre si e da cultura que os envolvem, estudando suas diversas formas de associação e de organização.

Nos permite entender a sociedade em que estamos inseridos de uma maneira racional e questionadora, identificando as causas dos fenômenos sociais, procurando compreender o contexto global ue envolve cada ser humano e nos fazendo refletir a cerca de possíveis mudanças. mera limitação da reprodução de comportamentos impostos apenas com o objetivo de atender expectativas exteriores, para que nos desperte sentimentos importantes que estão cada vez mais em desuso e considerados até mesmo “démodé” como a solidariedade, o altruísmo e a fraternidade, e assim contribuindo para a formação humanista de cada individuo. ? um estimulante à busca incessante de um entendimento próprio do mundo, das pessoas, do Governo, do trabalho como um todo, incentivando o uestionamento e se necessário a interferência em prol de uma sociedade mais justa e igualitária. É o impulso propulsor que falta à humanidade como um todo e que muitas vezes quando é inerente ao indivíduo costuma ser podado pelo “Sistema” desde a infância, já que a inércia atende melhor aos interesses dos que detém o poder. Com base nos textos do Prof.

Rossatto, apresente as 2. características principais da sociedade brasileira. Com base nos textos do Professor Rossatto, podemos dividir as características da sociedade brasileira conforme segue: O modelo colonial: Colonizador dominando e explorando a atividade comercial para a exportação, onde as colônias são instrumentos a serviço do conquistador. Influência cultural européia impondo nos índios sua cultura por considerarem a cultura regional inferior. Domínio político e social.

Além de obrigar os abor[gines à prática do Cristianismo. Quatro pilares do sistema: o latifúndio, a monocultura, a escravidão e ao monopólio, onde se dividia a sociedade em senhores e escravos. Tendo como principais ciclos econômicos o CICIO da cana de açúcar, da mineração, do gado, scravos. Tendo como principais ciclos econômicos o ciclo da cana de açúcar, da mineração, do gado, do fumo e do café. Característica: Prevalência dos interesses dos senhores de latifúndio.

Temos com isso uma sociedade de múltiplas facetas que se manifesta nas diferentes regiões culturais com intensa miscigenação. Modernização Dolorosa: Assim como na época da colonização a evolução recente da sociedade favoreceu os setores tradicionais, onde atravessamos o século XX diferentemente de outros países da Europa, fortalecendo os grandes latifúndios. Levando muitos migrantes à marginalização econômica, social, política e cultural, com distribuição de renda cada vez mais concentrada.

Forte distância entre ricos e pobres. Falta de consolidação política. Sociedade desigual – marcado por contrastes; Sociedade Estruturalmente Arcaica – discriminação racial e desigualdades sociais e econômicas. Sociedade com alta concentração de Renda – impedimento de uma vida mais digna. Sociedade com Raízes Rurais Medievais: vestígios do modelo social feudal. Sociedade Urbana – Aumento da marginalização e desigualdade. Sociedade Moderna Tecnologicamente – Arrocho social, modernização para poucos.

Sociedade de Baixa Participação Política – Subordinação e mera obediência. Sociedade com Poucas Oportunidades Sociais – Educação precária e desrespeito aos direitos humanos. Sociedade em Transição: Urbanização e perda das referências sociais, religiosas e pessoals. Sociedade Dependente: Desvalorização da autonomia nacional com a valorização da PAGF3rl(F8 pessoais. nacional com a valorização da importação (o que vem de fora é melhor).

Sociedade Predominantemente Católica: Falta de conteúdo ?tico Ao findar o século XX temos a certeza que o progresso tecnológico, não trouxe um desenvolvimento social equilibrado, condições de superação dos grandes problemas sociais e ainda esses mesmos problemas atingiram patamares inimagináveis. No século XXI assistimos a um atentado desproporcional nas suas dimensões e uma guerra de agressão e de preocupação que não se vira durante todo o século XX que foi marcado pela esperança.

Sociedade desenraizada: Poucas fidelidades sociais e Sociedade sem projetos sociais: Muita produção tecnológica pouca utopia. Exteriorização da vida. Sociedade laicizada: Falta de influência religiosa. Sociedade em mudanças tecnológicas: Consumismo sem limite. Sociedade em extinção: um mundo está morrendo. Sociedade da presentificaçao: Perda da consciência da história como patrimônio. Sociedade Homogeneizadora: Pensamento único. Vazio dogmático: Não há mais verdades definitivas, perda dos valores.

Século XXI século do conhecimento e das incertezas: Para onde vamos? O que queremos? O que seremos? Indagações x Mudanças = indefinição. Quais as principais características da sociedade do conhecimento? PAGF onhecimento é um assunto muito complexo onde podemos caracterizá-la pela transição da valorização do quantitativo pelo qualitativo representando uma combinação das configurações e aplicações da informação com as tecnologias da comunicação de muitos para muitos em todas as suas possibilidades, sem deixar de lado a ética, a cultura e a política.

Caracteriza-se também pela defesa da diversidade linguistica, a partilha de conhecimentos ambientais e o desenvolvimento de ferramentas estatísticas para avaliar o conhecimento e assim ajudar aos decisores políticos na efinição de suas prioridades. É criado dentro deste contexto a ideia de uma nova, complexa e intangível mensuração: o capital intelectual onde a capacidade de ser criativo e de agir é imprescindível aos profissionais de sucesso. ? uma sociedade na qual as mudanças e as inovações tecnológicas ocorrem num ritmo tão acelerado que além dos fatores naturais de produção, como capital e trabalho, é fundamental identificar e gerir inteligentemente o conhecimento das pessoas nas organizações. Com isso temos uma disparidade no acesso à informação e ? tecnologia, na qual criou-se outra forma de exclusão social atualmente conhecida como fosso digital e paradoxalmente temos uma imensa oportunidade de dissermnar, democraticamente, as informações, e consequentemente utilizá- las para gerar conhecimento e progresso.

Outra consequencia é a divisão no conhecimento, onde temos de um lado os países dotados de poder de pesquisa e potencial de desenvolvimento com sistemas de ensino públicos eficazes e de outro os parses com sistemas de educação deficientes e instituições públicos eficazes e de outro os países com sistemas de educação eficientes e instituições com recursos escassos para desenvolver suas pesquisas.

O ideal ao desenvolvimento das sociedades do conhecimento seria a superação dessas lacunas, para que haja uma consolidação dos dois pilares da sociedade da informação global, na qual torne mais igualitário o acesso à informação e a liberdade de expressão aliada assim aos aspectos éticos, a culturais e a pol(ticos. Com base no filme Ensaio sobre a cegueira que considerações poderíamos tecer sobre a condição humana (apresentada no filme) e que paralelos podemos fazer com a realidade de hoje?

Podemos refletir a cerca do que o ser humano é capaz de fazer quando acreditam que ninguém pode vê-los e até que ponto ele se desvencilha de valores morais e éticos quando são privados da satisfação de suas necessidades fisiológicas e condicionados a situações extremas, passando a agir como verdadeiros animais culminando a anarquia e o caos.

Outro ponto importante que considere’ foi a reflexão que podemos fazer nas entrelinhas sobre a supremacia feminina confrontada com o preconceito machista, na qual mostra de um lado como uma mulher é capaz de digerir e controlar situações extremas, uportando melhor as dores e as privações, com bom senso e destreza, e por outro lado como os homens rapidamente começam a se utilizar “da dominação masculina” para se defender e se manter no controle .

O fato das pessoas não terem nomes e as cidades não serem identificadas nos remete ao anonimato, como uma maneira de universalizar a experiência do filme, com nos remete ao anonimato, como uma maneira de universalizar a experiência do filme, como que se para abranger a todos. Vemos no filme o pior que o homem tem dentro de si, onde ele primeiro se despe dos valores morais e éticos, começam querer se sobressair uns sobre os outros, ridiculamente querem acumular riquezas em uma situação sem nexo nenhum.

Os conflitos são cada vez mais degradantes, o desrespeito à vida, ao individuo, à privacidade, confesso que por vezes senti um forte desconforto estomacal e fiquei até atordoada. Como paralelo podemos citar a fragilidade da sociedade onde em meio ao drama da cegueira coletiva, podemos notar o forte individualismo e a falta de laços afetivos realmente concretos. Considero que o filme não remete diretamente à uma região especifica ou à um grupo especifico e sim diretamente o ser humano propriamente dito, demonstrando de maneira escancarada o que muitos profissionais corruptos, pessoas com desvios de comportamento fazem às escuras.

Nos leva a questionamentos tais como: o que norteia nossa sociedade? Quais os caminhos que estamos seguindo? Quais os valores que defendemos? Qual meu papel perante a sociedade? O que tenho feito em prol do bem comum? É certo o acúmulo de riquezas? O dinheiro traz felicidade? O que realmente é importante semear na vida? Podemos trazer paralelamente para nossa realidade quando analisamos que mesmo sendo seres dotados da razão e a inteligência, muitas vezes vemos situações que são totalmente contrárias ao m[nimo de respeito com o próximo e com a vida, e ainda assim nos mantemos inertes, cegos, alheios.

Com mínimo de respeito com o próximo e com a vida, e ainda assim nos mantemos inertes, cegos, alheios. Como é possível aceitarmos tamanha banalização da vida, quando alguém tira a vida do outro puramente para atender caprichos ridiculos simplesmente é documentado no Jornal: Morre com três tiros pai de famllia… (isso quando sai no Jornal, muitas vezes só os amiliares são testemunhas) e nós assistimos à notícia com total apatia, essa banalização da vida, que vemos no Filme está presente também em nossa Sociedade.

Em suma considero que o Filme retrata de uma maneira intencionalmente cruel e direta, aspectos extremos para que consiga provocar nas pessoas uma reflexão a cerca de qual a direção que a Humanidade está indo, quais as consequências de uma Sociedade preocupada tão somente com o individual, inerte às desigualdades e injustiças, cega para as atrocidades praticadas, calada e submissa ao abuso de poder e às avessas dos princípios ?ticos e morais quando têm oportunidade de se favorecerem. ealmente deprimente e revoltante ao mesmo tempo, é como o próprio Saramago diz em uma entrevista à Folha de SP na qual comparativamente reflete sobre o que distingue o homem dos animais, no que tange a razão e o instinto: “Vivemos na delinquêncla, vivemos na wolência. Como é possível com a razão? É com a razão que chegamos a isto? E daí me surgiu a questão: Mas e se nós fossemos todos cegos? Daí já me surgi a resposta: NOS ESTAMOS CEGOS, CEGOS DA RAZAO! ” “Olho por olho, e o mundo acabará cego”. Mahatma Gandhi PAGF8rl(F8

Leave a Reply:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *