Esporte

PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL “ESPORTE É VIDA” ENTRE RIOS DO SUL -RS 2010 ESCOLINHA DE FUTEBOL IDENTIFICAÇAO DENOMINAÇÃO DO PROJETO: Projeto Escolinha de Futebol Esporte é Vida. ÓRGÃOS PROMOTORES: Associação Atlética Social e esportiva FASE PERÍODO DE REALIZA FORMA DE REALIZAÇ ÂMBITO: Municipal CARGA HORÁRIA: 40 org o de 2010. COORDENAÇAO GERAL: aacternir Mandelli INSTRUTORES: Nédio galdissera e Sérgio Capitânia I .

O – INTRODUÇAO A partir de diferentes visões, percepções e anseios dos diversos segmentos da sociedade, realçando principalmente família, escola e comunidade Entreriosulense, onde pretendemos dar continuidade ao Projeto da Escolinha de Futebol Esporte é Vida, que envolve crianças e adolescentes em atividades saudáveis, e propiciona a socialização no intuito de desenvolver valores, resgatar a autoestima e promover a inclusão objetivando a melhora na motricidade que a prática esportiva desenvolve. 2. – JUSTIFICATIVA O projeto se justifica devido ao grande índice de violência projeto visa, por meio do desenvolvimento esportivo, do lazer, do trabalho em equipe, do espírito esportivo, além de uma atividade de preparo para uma vida saudável, minimizar o indlce de iolência (familiar, escolar etc) bastante presente nesta etapa da vida das crianças e adolescentes que não tem apoio e incentivo para melhorar este comportamento, bem como diminuir a evasão escolar, incentivando-os a lutar por um futuro melhor e fazendo o que eles mais gostam. . 2 – OBJETIVOS ESPECIFICOS Incentivar a lutar por um futuro melhor, mostrando novas perspectivas de vida; Diminuir a evasão escolar; Motivar a melhora do rendimento escolar (notas e comportamento); Desenvolver o espírito esportivo e o trabalho coletivo; Melhorar a forma ffsica, e a saúde através do esporte; Formar atletas profissionais. . 0 – PROGRAMAÇAO E DESENVOLVIMENTO 4. – BENEFICIÁRIOS DO PROJETO O projeto se destina potencialmente as crianças e adolescentes das escolas Estaduais e Municipais do Município de Entre Rios do Sul, na faixa etária de 8 a 17 anos de idade, tendo que comprovar freqüência, disciplina e bom rendimento escolar, através da apresentação bimestral dos boletins para o orientador-treinador e para uma comissão formada pelos segmentos de toda a sociedade que será representada por um membro. 4. – RESPONSÁVEL Comissão da Escolinha composta por: Clademir Mandelli; Nédio Baldissera; Cláudio Argenta; Vanderlei Signor; César Bie ar Luis Sirtuli; Adriano CONTEUDOS A SEREM DESENVOLVIDOS Regras básicas de Futebol e Atetismo; A importância do trabalho em grupo (coletivo) para o futebol e para a vida; Treinamentos de jogadas; Fundamentos de Futebol e Atletismo; 4 A importância do esporte para uma vida saudável; Quanto a atividade esportiva é importante para o lazer ,mas também pode vir a se tornar uma atividade profissionalizante; 4. ATIVIDADES DESENVILVIDAS NO PROJETO Futebol Masculino; Futebol Feminino; Atletismo. 4. 5 – RECURSOS A SEREM UTILIZADOS Quant. Material e Recursos Humanos Instrutores Valor Unitário Valor Total R$ 1. 000,00 R$ 12. 000,00 R$ 85,00 R$ 1. 530,00 18 PAGF3rl(Fq da comunidade, devido aos custos do mesmo: material (bolas, coletes, etc), Instrutores, alimentação para carentes, manutenção do campo, Transporte, etc.

Na medida em que o projeto se desenvolve, proporcionar-se-á a todos os envolvidos não somente atividades desportivas e de lazer, mas também de formação, troca de experiências, relatos de vida, enfim, construção de possibilidades inter-escolares e comunitárias. 6. 0 – AVALIAÇÃO A avaliação do projeto ocorrerá smultaneamente a sua aplicação de forma permanente, sob a oordenação da Direção da Escola Estadual de Educação Básica Barragem do Rio Passo Fundo, das Escolas Municipais e de membros colaboradores. 7. – METAS O Projeto destaca-se também como um projeto socialmente comprometido com o seu público. Compreendemos que uma organização de sucesso deve se preocupar em buscar o bem-estar soclal através da valorização do colaborador, do meio ambiente, da cultura e da educação. Nosso diferencial está baseado em ações de princípios éticos e morais. Afinal, eficiência não é só fazer as coisas bem, mas fazer as coisas boas. Precisamos, portanto, atuar de forma cada vez mais brangente, usando nossa capacidade no desenvolvimento de práticas sociais eficazes que possam se tornar modelos.

Ao longo de quatro anos, o Projeto Escolinha de Futebol Esporte é Vida desenvolveu um trabalho pioneiro, que sempre teve sua base em conceitos e noções de Responsabilidade Social_ Nossa atual meta é compreender dever de casa de atender necessidades de benefícios, lazer, maior valorização educacional com a redução de evasão e repetência escolar, juntamente com a integração da família e da comunidade, precisamos fortalecer os alicerces de uma ação cada vez mais ampla, de forma a sermos reais condutores e transformação social na comunidade onde atuamos. 8. – CUSTOS O custo deste Projeto ficará em torno de R$ 50. 412,75 (cinqüenta mil e quatrocentos e doze reais e setenta e cinco centavos) anuais, que serão gastos com: 6 Material Esportivos; Recursos Humanos ( instrutores); Transportes; Alimentação; Manutenção do Campo; Uniformes para os atletas; Construção pista de Atletismo. 9. 0 – NOVIDADES DO PROJETO PARA 2010 9. 1 ATLETISMO Não há novidade no fato de que há negligências em relação ao ensino da Educação F[sica no âmbito escolar, em especial, no que diz respeito a transmissão de eterminados conteúdos.

Isso, inevitavelmente, faz com que o Atletismo, na maioria das vezes excluído desse campo educacional, se faça conhecer por meio de um saber televisivo, fruto das curtas e quase inexistentes reportagens e informações veiculadas pela midia brasileira. Nesse sentido, o intuito desse projeto não poderia ser outro que não difundir um nsino destinado à maior Projeto Esporte é Vida, o Atletismo, para motivar mais crianças e Jovens a participarem o Projeto, principalmente melhorando seus hábitos esportivos, físico, mental, desenvolvimento motor e qualidade física dos atletas.

O atletismo é um conjunto de esporte constituído por três modalidades: corrida, lançamentos, e saltos. De modo geral, o atletismo é praticado em estádios, com exceção de algumas corridas de longa distância, praticadas em vias públicas, como a maratona. O objetivo básico do atletismo é correr mais rápido, saltar mais e arremessar mais longe que seus adversános. Cada prova possui regras próprias. pista tem 400m de comprimento com oito raias e as outras categorias como lançamentos e saltos. Todas as provas de pista corridas terminam no mesmo ponto, o que varia é apenas o local da largada e o número de oltas.

Entre as provas de atletismo podemos incluir as categorias de revezamento, as corridas com barreiras e as com obstáculos, os obstáculos é diferente do que as barreiras, as barreiras são malares e o atleta pode se apoiar-se ao transpô-lo. Temos também a marcha atlética, e a maratona a mais longa e 7 conhecida do público. Depois temos os lançamentos de dardo, de disco, e de martelo e o arremesso de peso. Em meio os saltos temos os saltos a distância, de altura, salto com vara e o salto triplo tem o objetivo é cobrir a máxima distância possível em uma série de três saltos interligados.

Na primeira fase a sequência, o saltador corre pela pista e salta desde uma marca de lançamento, caindo ainda na ista com um pé e voltando as para frente, caindo lançamento, caindo ainda na pista com um pé e voltando a se impulsionar para frente, caindo com o outro pé e impulsionando-se novamente para cima e para frente, caindo desta vez com os dois pés numa caixa de areia. O estilo de três saltos numa ação continua foi inventado pelos escoceses e regulamentado no final do século 19 pelos irlandeses. Desde a antiguidade, caminhar, correr, saltar e lançar são movimentos naturais e, segundo alguns autores, inatos do ser humano.

A criança que, desde o nascimento, executa esses movimentos, na escola, com as aulas de Educação Física, terá a oportunidade de aperfeiçoá-los. O atletismo escolar, dependendo da metodologia que é utilizada em sua aplicação, pode ser o maior responsável pelo desenvolvimento das capacidades motoras anteriormente citadas, pela promoção da saúde, e pelo desenvolvimento da personalidade da criança e do organismo, contribuindo para o desenvolvimento do sistema cardiovascular e nervoso e para aperfeiçoar as qualidades fisicas fundamentais.

A ação de competir, então, é determinada não só pelas regras de ocal e regras motoras, mas também pela regra básica do sobrepujar. Sob as condições básicas de locais e as condições motoras predeterminadas, o correr, o saltar e o lançar significam percorrer uma distância o mais rápido possível; saltar o mais longe possível ou, ainda, lançar o mais longe possível. Dessa forma, para o participante, o correr implica uma dlrmnuição do tempo, e, no saltar e no lançar, um aumento da distância a ser alcançada.

A tematização do correr, do saltar e do lançar, no sentido do sistema do Atletismo PAGFarl(Fq tematização do correr, do saltar e do lançar, no sentido do istema do Atletismo Desportivo, levado até então para as instituições escolares, compromete os participantes com os aspectos formais das experiências corporais e do movimento que o sistema orientado da competição exige.

A avaliação do rendimento na corrida, no salto e no lançamento se baseia nos padrões objetivos que são fixados pelos resultados em forma de lista (por exemplo: uma hierarquização dos resultados segundo os recordes mundiais, regionais ou categoria de participação relativa à faixa etária). 9. 2 FUTEBOL FEMININO Podemos dizer que a prática do futebol feminino no nosso país só oi possível graças a uma conjunção de fatores, entre eles a resistência de algumas mulheres, interesses econômicos 8 representados especialmente pela midia, além da democratização do país ocorrida a partir da década de 80 e, com menor força.

O reconhecimento e a reflexão sobre as diferenças entre os alunos permitem ao professor utilizar o esporte e outras práticas corporais como meios eficazes de ensinar aos jovens a tolerância e a aceitação das diferenças individuais. Por exemplo, em situações de co-educação, os professores e ou Instrutores podem propor um trabalho diversificado de rocedimentos que inclua mudanças das regras e outras alternativas discutidas com o grupo, no sentido de facilitar a participação de todos e permitir uma reflexão sobre a diversidade e a inclusão.

A adaptação e a modificação das atividades no sentido de contemplar a heterogeneidade do grupo devem se estender uações nas quais o PAGF8ÜFq grupo devem se estender a todas as situações nas quais o professor e ou instrutor perceba o afastamento dos alunos das atividades. A exclusão pode se dar por diferentes razões, como graus de habilidade, género, nível de força, classe social e outros. É papel do professor ou instrutor identificar e estar atento a essas questões para poder melhor encaminhar alternativas, que possam ser constru[das em conjunto com os alunos.

Na verdade, a estratégia mais adequada no tratamento das questões ligadas ao futebol feminino é unir e separar os meninos das menlnas, dependendo das atividades que estão sendo realizadas, bem como das características do grupo, nível de habilidade, número de alunos e outras. Esta consideração acaba por tornar o trabalho do professor ainda mais complexo, uma vez que ele deve considerar todas as características do contexto e tomar a melhor decisão, entre nir ou separar os grupos. São inegáveis as muitas diferenças no comportamento de meninos e meninas.

Reconhecê-las e trabalhar para não transformá-las em desvantagens é papel de todo educador. Estar atento às questões de gênero que ocorrem num treino é uma forma de ajudar os jovens a construir relações de gênero com equidade, respeito pelas diferenças, somando e complementando o que os homens e as mulheres têm de melhor, compreendendo o outro e aprendendo com isso a serem pessoas mais abertas e equilibradas. Com tais objetivos pretendemos inclur no projeto Esporte é Vida o Futebol Feminino. PAGFgrl(Fq

Leave a Reply:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *