Trabalho copa 2014

São Paulo SP Condomínio São Luiz Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1. 830 Torrel 50 ao 90 andares, Torre II – 50 ao 70 e 130 andares Itaim Bibi CEP: 04543-900 +55 11 2573 3000 Brasília I DF Edifício Brasil 21 Setor Hoteleiro Sul – conjunto A, bloco A 10 andar -sala 105 CEP: 70316-106 +55 61 2104 0100 Campinas I SP or70 to view nut*ge Av. Francisco Tramontano, 100 Morumbi CEP: 05686-010 Galleria Corporate AV. Dr. carlos Gnmaldi, 1. 701 30 andar 3A Fazenda São Quirino CEP: 13091-908 Edifício California Center R. Dr. Amadeu da Luz, 100 80 andar, conjunto 801 Centro CEP: 89010-160 +55 47 2123 7600

Edifício Empresarial Center III R Antônio Lumack do Monte, 128 140 andar Boa Viagem CEP: 51020-350 +55 81 3092 8300 Edifício Guimarães Trade Av. Tancredo Neves, 1 . 189 170 andar Pituba CEP: 41820-021 +55 71 3496 3500 Projeto e direção editorial: Mitizy Olive Kupermann Coordenação editorial: Roseli Loturco Apoio editorial: Paula Quental e Michele Gassi Projeto gráfico: André Heller e André Scigliano Infográficos: Mario Kanno Revisão: João Hélio Desenvolvimento de conteúdo: Ernst & Young e FGV Projetos Coordenação técnica: FGV Projetos Equipe FGV Diretor técnico: César Cunha Campos Supervisor: Ricardo Simonsen

Coordenador: Fernando Blumenschein Corpo técnico: Rafael Kaufmann Neda’, Diego Navarro Pozo e Rodrigo Fernando Dias PAGF totalidade ou em parte, é permitida desde que citada a fonte. 14 Copa sustentável • Responsabilidade socioambiental em jogo Esta é uma publicação do Departamento de Comunicação e Gestão da Marca 08 09 13 O mapa dos investimentos 0 2010 EYGM Limited. Todos os direitos reservados. 03 06 07 Efeito dominó • Impactos socioeconômicos diretos e indiretos • Impactos diretos em numeros • As ações vltais da operação wvm. ey. com. br OI operaçao 16 Sete passos para a Copa verde 18

Microeconomia e impacto social • Milhares de microempresas serão beneficiadas 24 Riscos e condicionantes • Corrida de obstáculos • De que precisam as cidades-sede? • A preocupação com o legado • O risco da ineficiência econômica • Os imponderáveis fatores externos 26 do Mundo 2014. Este estudo, portanto, tem sete objetivos, além de pontos de ineditismo: Em 30 de outubro de 2007, o Comitê Executivo da Fifa nomeou o Brasil como anfitrião da competição. Com isso, o Pais será o quinto a sediar duas edições da Copa do Mundo, apos o México, Itália, França e Alemanha.

Entretanto, o perfil o evento se alterou significativamente desde a Copa de 1950. Em 2014, teremos uma competição de grande porte, cuja realização vai requerer extensos processos de preparação e complexas operações. Por um lado, o Campeonato Mundial gerará reflexos e benefícios em diversos setores da economia e da sociedade, sejam temporários ou duradouros, diretos ou indlretos. por outro, também apresenta vários riscos, necessitando de processos de gestão eficientes no setor público e privado para que possa proporcionar plenamente esses benefícios à sociedade. ?? Apontar os impactos dos investimentos nos PIBs regionais m cada cidade-sede do evento; • Apresentar estimativas dos impactos socioeconômicos da Copa do Mundo 2014 sobre o Brasil; • Estabelecer métricas e indicadores para a realizaç PAGF s OF Do MUNDo 2014 Este trabalho, resultado de parceria da Ernst & Young com a Fundação Getulio Vargas (FGV), busca jogar luz em um novo ambiente que se desenha no país com a Copa do Mundo e que poderá proporcionar, com preparo adequado do poder público e da iniciativa privada, inúmeras oportunidades de crescimento.

Os impactos socioeconômicos – fluxo de bem-estar que o evento gerará para a população braslleira – têm dlversas imensões e serão percebidos em função de vários fatores. Dependem de que o País consiga aportar os investimentos e as ações necessárias a tempo de o evento ser realizado de forma bem-sucedida; de que aproveite os legados da Copa, transformando-os em bens perenes; e, finalmente, de que alcance esses objetivos de forma economicamente eficiente, sem dispêndios excessivos, má alocação de recursos ou custos de oportunidade.

A ideia é que o Brasil se prepare desde já para que o evento não seja de apenas alguns dias, mas de muitos anos, deixando um legado positivo para o conjunto da sociedade. Mais importante do que só corresponder às expectativas externas em relação ao Campeonato Mundial é criar um ambiente interno para que todas as obras de infraestrutura e os impactos sobre a macro e a microeconomia gerem condições melhores de vida ? sociedade brasileira. 0 perfis de renda/consumo da população, e permite estimar os impactos totais (diretos, indiretos e induzidos) das atividades relaclonadas à Copa sobre a produção nacional, emprego, renda, consumo e arrecadação tributária. As previsões utilizadas neste levantamento se pautaram, tanto quanto possível, por experiências omparáveis e pelo planejamento financeiro dos órgãos públicos.

Os impactos foram mensurados de acordo com critérios específicos, como a diferença entre os dispêndios efetuados em cenários com e sem a Copa. Além disso, os custos de todas as operações e aquisições foram considerados estáveis, de forma a permitir a soma entre quantias referentes a transações feitas em qualquer momento até 2014, sem a utilização de taxas de desconto intertemporais.

Não foram consideradas eventuais oscilações ou tendências do ambiente macroeconômico. Impactos socioeconomicos Economia produzirá R$ 14 bilhões dicionais O cenário de referência adotado neste estudo aponta que PAGF 7 no período 2010-2014, gerando 3,63 milhões de empregos-ano e R$ 63,48 bilhões de renda para a população, o que vai impactar, inevitavelmente, o mercado de consumo interno, como é possível notar na tabela da página 6.

Essa produção também deverá ocasionar uma arrecadação tributária adicional de R$ 18,13 bilhões aos cofres de municípios, estados e federação. O impacto direto da Copa do Mundo no produto Interno Bruto (PIB) brasileiro é estimado em R$ 64,5 bilhões para o período 2010-2014 – valor que corresponde a 2,17% o valor estimado do PIB para 2010, de RS 2,9 trilháes. Como a Copa do Mundo é um evento pontual, uma parte de seus impactos sistemáticos não será permanente.

De fato, uma vez conclu[dos os investimentos e realizada a Copa, a continuidade Impactos consolidados da Copa do Mundo 2014 a) Impacto sobre a demanda final R$ (gastos no Brasil relacionados à Co a PAGF 8 OF IMPACToS SoCloECoNôMlCoS DA CoPA Do MUNDo 2014 dos impactos positivos dependerá da capacidade dos stakeholders (agentes envolvidos) em aproveitar as oportunidades e os legados do evento. Por esse motivo, a avaliação realizada na primeira arte deste estudo é limitada ao período 2010-2014. de empregos-ano estimados correspondem, em termos salariais, a 3,63 milhões de ocupações com duração de um ano.

A distribuição exata desses empregos-ano ao longo do período 2010-2014 dependerá do cronograma preciso de realização das obras e ações. Assim, a geração de emprego estimada aqui se refere, em princípio, apenas a ocupações temporárias. Os 3,63 milhões Os setores mais beneficiados pela Copa do Mundo serão os de construção civil, alimentos e bebidas, serviços prestados às empresas, serviços de utilidade pública (eletricidade, gás, ?gua, esgoto e limpeza urbana) e serviços de informação.

Em conjunto, todas essas áreas deverão ter sua produção exploração florestal Artigos de vestuário e acessórios Educação mercantil pecuária e pesca Petróleo e gás natural Produtos farmacêuticos Administração pública e seguridade social Perfumaria, higiene e limpeza Serviços de manutenção e reparação Outros produtos de minerais não metálicos Jornais, revistas e discos Móveis e produtos de indústrias diversas produtos de metal — inclusive máqunas e equip. Quadro 2 15. 317 2. 000 4. 000 6. 000 TO AL 57. 217 setores 41 . 900 8. 000 10. 000

Leave a Reply:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *