Trabalho de mobilidade urbana copa do mundo de 2014

Curso – Administração 70 Semestre — Noturno “Mobilidade Urbana” – sala F304 Amanda cristina Eugênio – RA 9035009-2 Elisângela Ferreira Mendes Major- RA 9029109-2 Gerson Luiz Rodrigues da Silva – RA 9032009-8 Jocasta Rodrigues de Freitas – RA 9019709-2 Sandra Regina Chuha Costa – RA 9021309-7 Sumario to view nut*ge Objetivo 3 Introdução 4 O que é mobilidade urbana? 5 A Questão do Tr¿nslto Nas Cidades Sedes da Copa do Mundo de 20146 O Meio Ambiente e o Transporte Sustentável 7 Acessibilidade na mobilização urbana 8 Politica e suas influencias. 0 Tecnologias 1 1 Integração Tarifas transporte coletivo 13 Conclusão 14 Bibliografia 15 Anexo 15 Objetivo transporte urbano de passageiros o mais recorrente são as greves de motoristas aliado a isso uma frota de ônibus antiga em muitas vezes com mais de 5 anos de uso, o texto abaixo mostra de forma sucinta alguns destes aspectos e também fala sobre melhorias propostas até a copa de 2014, mas ainda falta muito para que se tenha uma solução efetiva e real do problema, pois tudo esbarra na morosidade política e falta de vontade dos governantes. O que é mobilidade urbana?

A mobilidade urbana é a condição em que se realizam os deslocamentos de pessoas e cargas no espaço urbano. A mobilidade é direcionada pela lei federal no 12587 de 3 de janeiro de 2012, que diz que a política nacional de mobilidade urbana tem o objetivo de contribuir para o acesso universal ? cidade. Estes modos de transportes podem ser: Motorizados – toda locomoção utilizando veículos automotores. Não motorizados – todo forma de locomoção que utiliza força humana ou tração animal. Os serviços de transportes podem ser classificados em: De passageiros. De carga. As características são: Coletivo. Público acessível a toda uma população. * pnvado não aberto ao publico, com características peracionais exclusivas. Individual. * Serviço remunerado de transporte de passageiros aberto ao publico, através de veículos de alu uel_ PAGF70F11 Paulo, que apresentam níveis de congestionamentos muito grandes, se não houver um planejamento adequado e investimentos, o trânsito no Brasil, pode se tornar um caos, maior do que costuma ser e poderemos repetir o mesmo fracasso do trânsito sul-africano na Copa do Mundo da África do Sul, onde era preciso sair duas horas antes do hotel para assistir aos jogos.

No Rio de Janeiro, está prevista a construção de um corredor de ?nibus no sistema BRT (Bus Rapid Transit), que ligará a garra da Tijuca na zona oeste ao Aeroporto Internacional Tom Jobim, no entanto não será suficiente para resolver o problema do trânsito, que exige um metrô mais eficiente, por exemplo, ainda que para o diretor de desenvolvimento da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) Rlcardo Lemos, o estádio do Maracanã é de fácil acesso, com ônibus, metrô e trem que param na porta.

A situação em São Paulo também é delicada, os paulistanos estão acostumados a enfrentar, diariamente dezenas de quilômetros de congestionamentos, que agrava nos arredores dos principais stádios. A solução segundo especialistas é investir em transportes sobre trilhos. O Governo do Estado planeja ampliar as linhas do metrô, a expectativa é que a malha da cidade (somando metrô e trem) de 240 km para 420 em 2014. O Meio Ambiente e o Transporte Sustentável A Copa do Mundo de 2014 será uma oportunidade para o Brasil mostrar ao mundo que não é só o país do samba e do futebol, e sim um país preocupado com as questões ambientais.

As cidades sedes serão beneficiadas com projetos de mobilidade urbana sustentável amparada pelo Ministério do Meio Ambiente com financia PAGF30F11 projetos de mobilidade urbana sustentável amparada pelo Ministério do Meio Ambiente com financiamento do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima. Serão liberados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES), R$ 230 milhões, sendo que R$ 30 milhões serão destinados a pesquisas e ao sistema de alerta contra catástrofes.

O investimento será focado em renovar o sistema de transporte público por ônibus que utilizem combustíveis limpos, que diminuam a poluição, como no caso do ônibus movidos a etanol e a hidrogênio, além dos ônibus híbridos (movidos a diesel e nergia elétrica ou a diesel e etanol). Um dos principais projetos é o sistema BRT (Bus Rapld Transit), que consiste em um sistema de ônibus de alta capacidade, que promovem conforto, rapidez, eficiência e qualidade.

Tem como características: -Corredores exclusivos ou preferência para a circulação do transporte coletivo; -Embarques e desembarques rápidos, através de plataformas elevadas no mesmo nível dos veículos; -Sistema de pré-pagamento de tarifa; – Veículos de alta capacidade, modernos e com tecnologlas limpas; Os Sistemas BRT tem potencial para reduzir as emissões de C02, omo aconteceu recentemente na Cidade do México, que está reduzindo 35. 000 toneladas. Curitiba foi a pioneira a implantar esse sistema e para o evento da Copa do Mundo de 2014.

Acessibilidade na mobilização urbana Quando falamos em acessibilidade, temos que mencionar acesso a transporte, acomodações, turismo, serviços de hotelaria, aeroportos, etc.. Abordamos esse assunto referente à Copa 2014, onde o Brasil terá que realizar várias adaptações para PAGFd0F11 assunto referente à Copa 2014, onde o Brasil terá que realizar várias adaptações para atender pessoas portadoras de deficiência isica, visual e audível que virão de todas as partes do mundo para o evento e, por isso, o assunto tem que ser tratado com seriedade e empenho.

Um dos principais legados da Copa do Mundo de 2014 serão as melhorias nos sistemas de mobilidade urbana para as cidades-sede do evento. Os empreendimentos priorizam a implementação e a melhoria de sistemas de transportes coletivos e de meios não motorizados — voltados para pedestres e ciclistas -, bem como a integração entre diversas modalidades de transportes, com a constante preocupação de se alcançar o conceito de acessibilidade universal, garantindo a mobilidade de dosos e de pessoas com deficiências ou restrição de mobilidade.

Acessibilidade direito de todos As cidades-sede da Copa de 2014 estão com projetos em andamentos, sendo que a maior preocupação esta na acessibilidade em mobilidade urbana, devido o excesso de veículos nas ruas, transporte coletivo deficitário e em alguns casos precário, execução lenta de obras de infraestrutura, falta de ações conjuntas entre municípios da mesma região metropolitana e adequações para atenderem pessoas com necessidades especlals. O País deve receber bilhões em investimentos, dos quais uma oa fatia para a infraestrutura de transportes.

Em Porto Alegre os projetos em andamento que contemplam aplicativos de localização e acessibilidade para deficientes visuais foram desenvolvldos pela procergs e são administrados por várias Secretarias de Governo. Campanha de Acessibilidade na Copa Procergs e são administrados por várias Secretarias de Governo. Campanha de Acessibilidade na Copa de 2014 promovida pelo Conselho Nacional dos Direitos da pessoa portadora de Deficiência (Conade), órgão que integra a estrutura básica da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República.

O alvo da campanha é adaptar as 12 cidades-sedes da Copa no Brasil ao conceito de acessibilidade universal. A legislação brasileira de acessibilidade obriga a utilização de pisos táteis, para pessoas com deficiência visual em locais públicos, como plataformas de trem e metrô, O material polmérico é mais fácil de ser cortado ou dobrado e pode ser aplicado facilmente em reformas de ambientes internos. Política e suas influencias. A nova política nacional de mobilidade urbana esta aparada pela lei 12. 87/2012, ela estabelece novas diretrizes para o transporte urbano, com pontos bem definidos. Incentivo a prioridade do transporte coletivo, publico e não motorizado. * A utilização de mecanismos que possam garantir a oferta de gratuidade e passagens acessíveis no transporte coletivo. * Determina que a política nacional de mobilidade urbana não poderá ser imposta aos municípios, já que este tem regras próprias para definir seu próprio sistema de transporte urbano. Que o governo federal poderá estabelecer condições aos municípios, para que recebam verbas, para os projetos de transporte e planos com base na política nacional de mobilidade urbana. A influência da presidência da republica foi direta, com veto pontos do projeto, um desses pontos era a concessão de benefício tarifári foi direta, com veto a pontos do projeto, um desses pontos era a concessão de beneficio tarifário e previsão em lei visando recursos que pudessem ser usado como custeio. O artigo de outras leis que garantiam gratuidades no transporte publica para carteiros e fiscais do trabalho também foi revogado.

Tecnologias O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, sugeriu no último dia 17 que o ônibus movido a hidrogênio e o trem de levitação magnética desenvolvidos pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) sejam usados como meio de transporte nos aeroportos do Rio durante a Copa de 2014 e os Jogos de 2016. O ônibus hibrido movido a eletricidade e a hidrogênio e o trem que dispensa a utilização de trilhos e de rodas foram desenvolvidos pela Coppe (Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós- Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Mercadante sugeriu que o trem, batizado de Maglev-Cobra, faça a ligação entre os terminais 1 e 2 do Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, na Ilha do Governador, na zona norte, e que ônibus transporte passageiros entre este aeroporto e o Santos Dumont, localizado no centro do Rio. Há um esforço do ministério da Ciência e Tecnologia para apresentar essas duas alternativas de transporte já na Copa do Mundo.

Segundo Mercadante, o governo federal está negociando a implantação dos dois projetos pioneiros com a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). O coletivo foi desenvolvido com tecnologia 100% nacional e já faz o transporte de passagei Social). o transporte de passageiros no campus do Fundão da UFRJ. O ônibus funciona de forma hibrida, com energia elétrica e bateria movida a hidrogênio, não emitem poluentes e libera apenas vapor d’água.

O trem magnético é mais econômico, além de nao poluir o meio ambiente. Segundo os coordenadores do projeto, implantar o sistema de levitação custa o equivalente a um terço do valor necessário para construir uma linha de metrô. Mercadante citou uma medida provisória, de sua autoria, que permite que o governo brasileiro pague até 25% acima do valor do mercado em projetos que tragam Inovação, mas deu um puxão de orelhas na iniciativa privada, que em sua opinião não nveste o suficiente em inovação. É uma ousadia e a gente tem que apostar. Inovação é sempre uma aposta.

A indústria automotiva tem que ajudar a financiar ciência e tecnologia. Não se pode ter uma postura passiva. Ao visitar a Coppe hoje pela manhã, o ministro circulou entre os laboratórios no ônibus híbrido e “levitou” na plataforma do trem magnético. É sllencloso e bem agradável. O desen também é muito bonito. Vide anexo 1. Integração Tarifas transporte coletivo As tarifas refletem, entre outros, variação dos custos de peças e acessórios, preço dos ônibus; correção da rentabilidade e espesa administrativa conforme estabelecido em contrato.

Em Curitiba o destaque é voltado para o transporte coletivo em relação ao modelo de utilização de ônibus que possui um sistema integrado totalmente distinto do sistema dos demais municípios no Brasil, Curitiba possui estações d totalmente distinto do sistema dos demais municípios no Brasil, Curitiba possui estações de ônibus onde é cobrada a passagem, evitando a formação de tumultos em seu interior o que facilitam muito no embarque e desembarque dos passageiros.

Outro fator que se destaca é quanto o valor da passagem que é pago nas stações ser válido para a circulação por toda a rede de Curitiba e para mais treze municípios que integram a região metropolitana, sendo denominada de tarifa social. sao paulo É importante frisar que grande parte dos usuários não paga o valor cheio da tarifa, por conta do Bilhete Único, que permite até quatro viagens de ônibus em três horas; pelas integrações com outros modos de transporte – Metrô e CPTM, por exemplo – e pelas gratuidades.

No modelo atual, a tarifa cobrada representa o acesso ao sistema, permitindo que o usuário faça suas viagens com uma cobrança única. Em média, cada usuário anda 1,63 trechos de ônibus por Bilhete Unico, dando uma tarifa média, por viagem percorrida, de R$ 1,85. Inclusive, esse é o valor que deve ser utilizado ao se comparar com tarifas de outras cidades, onde se paga por cada viagem percorrida. ? importante lembrar que, além do usuário comum, 950 mil estudantes pagam metade da passagem; 250 mil portadores de deficiência e 650 mil idosos não pagam nada para utilizar os ônibus da capital. Sem falar-nos milhão de usuários que têm desconto de 26% concedido pela SPTRANS para a integração do sistema municipal com o Metrô e a CPTM. Na integração, a SPTRANS cobra R$ 2,22 de um bilhete que custa R$ 4,49 ao usuario. Desta forma, se a Prefeitura optasse por manter a PAGF40F11 bilhete que custa R$ 4,49 ao usuário.

Desta forma, se a Prefeitura optasse por manter a tarifa nos valores de 2010, a compensação tarifária teria que ser próxima de 1 bilhão de reais. Conclusão Entendemos que a mobilidade urbana é de importância vital para a realização da copa de 2014, sem as melhorias realizadas sera inevitável o caos no sistema de transporte, nos negócios deve ser buscado o entendimento entre os setores públicos e privados isando o bem comum que é um transporte de qualidade durante e apos a copa.

Para as empresas de transportes será uma grande oportunidade de gerar receitas maiores e com certeza terão preferência as que tiverem os melhores e mais novos equipamentos para o transporte e fundamental o planejamento estratégico para o setor como num toldo abrangendo todas as áreas que envolvam a mobilidade urbana. ? fundamental criar um link entre todas as companhias que atuam no sistema de transporte publico para que assim possíveis problemas que venham a ocorrer durante a realização da opa sejam solucionados de forma rápida e efetiva, modelo de transporte como o de Curitiba deveria ser segui por todas as cidades sedes da copa, sendo estes adaptados à realidade de cada cidade.

Para os empresários que tem visão estratégica e planejamento esta é a oportunidade de grande negocio, para aqueles que ficam procurando culpados para justificar a incapacidade de estabelecer estratégias e planejamento será mais um problema. Bibliografia Disponível em: HTTP://www. turismoadaptado. wordpress. com. acessado em 02/03/2012. 231140. Disponível em: estao. com. br/jportal/portal

Leave a Reply:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *