Qualidade de vida

QUALIDADE DE VIDA Osasco, 04 de Abril de 2012 ATPS Educação Física – 10 Semestre – Noturno to next*ge Proe Rafael Alessandra Bittenco Amanda Dias Barret Marcelo Cristiano Vi Marcos Nascimento ar 6 6759168 | Mônica santiago RA: 090598482 | Rafael Ribeiro Negrão RA: 4611877459 | Romilda Batista Alves RA: 3708626530 | Willian dos Santos Teodoro I RA: 3714626165 | Sumário O que é qualidade de Vida? O surgimento do conceito da qualidade de Pág. vida.. Pág. 5 | Concepções Básicas de Qualidade de Vida voltada ? saúde…. ….. Pág. | para época, de individuo para individuo e ate num mesmo ndividuo se modifica com o decorrer do tempo: o que hoje e boa qualidade de vida pode não ter sido ontem e poderá não ser daqui a algum tempo. A qualidade de vida esta, assim, diretamente relacionada com a percepção que cada um tem de si e dos outros, do mundo que o rodeia e pode ser avaliada mediante critérios apropriados, tais como, a educação, a formação de base, a atividade profissional, as competências adquiridas, a resistência pessoal, o otimismo, as necessidades pessoais e a saúde.

Estes criterios são valorizados de forma diferente por cada individuo consoantes as ircunstancias: físicas, psicológicas; sociais; culturais; espirituais e econômicas em que este se encontra o que levou a que, vários autores, se tenham empenhado a criarem escalas de avaliação de qualidade de vida específicas para indivíduos que apresentam o mesmo diagnóstico médico.

O fato de os critérios serem valorizados de forma diferente também levou ao surgimento de diversas significações de qualidade de vida, tomando-se estas, motivo de reflexão. Giovanni Pires et al, (1998), refere “Qualidade de vida significa muitas coisas. Diz respeito a como as pessoas vivem, sentem compreendem seu quotidiano. Envolve, portanto, saúde, educação, transporte, moradia, trabalho e participação nas decisões que lhes dizem respeito determinam como vive o mundo.

Compreende desse modo, situações extremamente variadas, como, anos de escolaridade, atendimento digno em casos de doenças e acide situações extremamente variadas, como, anos de escolaridade, atendimento digno em casos de doenças e acidentes, conforto e pontualidade nas condições para se dirigir a diferentes locais, almentação em quantidade suficiente e qualidade adequada e, té mesmo, posse de aparelhos eletrodomésticos. Esta definição engloba uma panóplia de critérios de avaliação de qualidade de vida, mas, não engloba o critério: experiências futuras. Neste contexto, os objetivos a atingir com a realização deste trabalho são: – Recuperar o surgimento do conceito de qualidade de vida. – Apresentar uma possível definição de qualidade de vida que contemple as perspectivas, biológlca, cultural, econômica e psicológica, isto e, na sua multidimensionalidade. Identificar diferentes exemplos de escalas da avaliação de ualidade de vida. Considerar as reflexões bioéticas como um contributo indispensável para a promoção da qualidade de vida. O SURGIMENTO DO CONCEITO DE QUALIDADE DE VIDA O conceito qualidade de vida foi usado pela primeira vez pelo presidente dos Estados Unidos, yndon Johnson, em 1964, quando este declarou: “os objetivos não podem ser medidos através do balanço dos bancos. Eles só podem ser medidos através da qualidade de vida que proporcionam às pessoas. Aqui Lyndon Johnson referiu-se, pois a qualidade de vida em termos econômicos. Os anos foram passando e em meados da década de 70 Augus Campbell, (1976) referiu que as dificuldades para definir qualidade de vida tinham a ver com o fato de ser u PAGF3rl(F6 que as dificuldades para definir qualidade de vida tinham a ver com o fato de ser um conceito muito falado, mas pouco percebido: ” uma vaga e etérea entidade, algo sobre a qual muita gente fala, mas que ninguém sabe claramente o que e. Continuando a progredir no tempo verificamos que os estudiosos foram refletindo sobre o conceito de qualidade de vida e a partir dos anos 80 considerou-se que este envolvia iferentes perspectivas, entre elas a biológica; psicológica; cultural; e econômica, ou seja, o conceito era multidimensional. No entanto, só na década de 90 se chegou a conclusão acerca da multidimensionalidade e também da subjetividade deste conceito, uma vez que, cada individuo, avalia a sua qualidade de vida de forma pessoal, nas dlferentes perspectivas de qualidade de vida.

Ainda na década de 90, Gil et al. (1994) pesquisaram sobre a definição e avaliação da qualidade de vida na área da saúde, tendo concluído sobre a falta de clareza e de consistência tanto o que respeita ao significado do conceito como a sua avaliação, o que ainda se verifica atualmente, apesar de existirem múltiplas definições e cada vez mais instrumentos de avaliação de Costa Neto (1998) identificou 445 instrumentos de avaliação de qualidade de vida em 70 anos, dos quais, 322 só apareceram na literatura a parti dos anos 80.

Não ha duvida que o empenho na construção de instrumentos de avaliação de qualidade de vida aumentou muito na década de 80. E chegando a 2005, Arnaldo Ribeiro, referiu-se ao apar PAGF qualidade de vida aumentou muito na década de 80. E chegando a 2005, Arnaldo Ribeiro, referiu-se ao aparecimento do conceito qualidade de vida deste modo “um termo que surgiu como conceito de condições de vida no trabalho, como um conjunto de aspectos de bem estar, saúde e segurança física, mental e social, capacidade de desempenhar atividades com segurança e com máximo aproveitamento possível da energia de cada trabalhador (produtividade). Atualmente verifica-se uma tendência para definir qualidade de vida com base em aspectos específicos associados a determinados grupos de indivíduos – por exemplo, indivíduos om determinada patologia ou com determinada idade. Sendo assm, tem-se desenvolvido instrumentos de avallação de qualidade de vida para pessoas com patologias especificas e para pessoas com idade avançada.

Nesta sucessão de idéias, verificamos que o conceito de qualidade de vida evoluiu ao longo do tempo, tornou-se progressivamente mais complexo, e, como já referi, foi avaliado em diferentes perspectivas: biológica; cultural; econômica e psicológica que privilegio seguidamente. CONCEPÇOES BASICAS DE QUALIDADE DE VIDA VOLTADAS A SAUDE Para qualidade de vida existem em seu conceito duas virtudes: a da linhagem cotidiana e a que está inserida no contexto da pesquisa cient[fica.

Na saúde, os paradignos que têm influência as políticas e as práticas do setor nos últimos tempos determinaram o interesse pelo conceito de Qualidade de Vida. O processo saúde doença é multifatorial e comp multifatorial e complexo, assim essa fusão está relacionada com aspectos econômicos, socioculturais, à experiência pessoal e estilos de vida. A mudança do perfil de mortalidade indica o aumento da revalência das doenças crônicas degenerativas. Avanços no controle dessas enfermidades vêm trazendo uma sobrevivência maior às pessoas atingidas.

No âmbito da saúde coletiva e dos políticos públicos, a avaliação de Qualidade de Vida, tem sido utilizado para indicadores de eficácia e impacto de tratamentos para grupos de agravadas comparações entre procedimento para o controle de saúde. Já nas práticas assistências cotidianas dos serviços de saúde, Qualidade de Vida é um indicador nos julgamentos clínicos de doenças específicas. Nesses casos, a compreensão sobre a Qualidade de Vida do paciente incorpora-se ao trabalho do dia-a- dia dos serviços, influenciando decisões.

Quanto ao interesse crescente de Qualidade de Vida, podemos citar o periódico “Quality of Cife Research”, editado a partir dos anos 90 pelo “International Society For Quality of Cife Research”, que reúne trabalhos científicos de diferentes áreas do conhecimento. A obra tem como objetivo descrever a evolução histórica do conceito de Qualidade de Vida no campo saúde. Referências bibliográficas SEIDL, Eliane Maria Fleury. cad. saúde Pública, Rio de Janeiro, mar-abr, 2004

Leave a Reply:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *